11 de ago de 2010

Começo da pintura

Aqui, já com a mistura do óleo e mais as primeiras luzes e sombras.





Abs

Cordão do colar

Depois de muito tempo longe deste trabalho, agora decidi terminá-lo. Para finalizar a escultura faltava esculpir o cordão do colar de unha de onças, assim como os brincos. Estes últimos farei só no final, inclusive depois da pintura.
Bem, para fazer este cordão usei MagicSculpt. Depois de fazer uma "cobrinha" com ela, coloquei no lugar certo, medi o tamanho, a espessura e etc. Quando fiquei satisfeito, fiz vários pequenos furos compridinhos em todos os cantos, fazendo um textura interessante. O visual ficou interessante por parecer um barbante. O problema que eu tive foi na hora de fazer o nó. A massa não aguentaria tal manobra. Então tive a idéia de usar um elástico! Fiz o nó que queria, cortei e colei no lugar. Daí foi só unir o cordão já criado ao elástico e fazer uma continuação.
Vejam:








Agora só faltam os brincos.

Abs

19 de jul de 2010

8 de jul de 2010

Dakota Warrior - índio

Olá amigos!
Depois de um certo tempo sem postar nada, aqui está o que consegui adiantar desta vez. A calça está praticamente pronta, faltando um wash bem de leve nas "franjas".





Como disse anteriormente, pintei esta calça usando uma das referências, aqui. Não só com relação à cor, mas também a textura. Fiz uma sobreposição de quatro tons de marrom, do claro ao escuro, sempre com um pincel chato, batendo-o bem devagar com a ponta. Muito importante deixar bem claro que a técnica consiste em não deixar nada certinho, tudo com a mesma cor. Não. Aqui a idéia foi mesmo de deixar levemente manchado. Como fiz estas camadas com óleo, esperei de dois a três dias para aplicar o outro tom.

É isso. Agora, o mocassim.

Abs

19 de jun de 2010

Dakotas Warrior - índio

Ao mesmo tempo em que fui pintando o cavalo, enquanto esperava secar alguma parte, comecei a trabalhar com o índio. Infelizmente, mais uma vez, não consegui tirar tantas fotos quanto gostaria.De qualquer forma acho que vai dar para registrar alguns passos sim.

Bem, nestas duas fotos abaixo eu circulei em vermelho este pino que está na parte de baixo porque fui obrigado e eliminá-lo. Na segunda foto dá para ter uma idéia do porque. Este pindo existia para encaixar num furo que se encontra sobre o cavalo. Dêem uma olhada nos posts anteriores sobre o cavalo que em várias fotos é possivel ver isto. Acontece que a junção não era boa, o que certamente comprometeria o acabamento futuro. Não ia dar para ficar com o pobre índio sentando num pino aparente, certo? rs



Sei que os monitores dos computadores mudam demais as cores, mas tendo em vista que muitos ainda não sabem como se pinta um pele com tinta óleo, resolvi tirar uma foto com os tubos ao lado. Pelo menos os nomes de cada uma vai dar para ver.
Reparem que misturo um pouco de preto e vermelho também, junto com as "tradicionais" Raw Umber, Burnt Sienna, Yellow Ochre (que já tem um pouco de preto) e o Titanium White. Isso porque a pele dos índios é mais corada, não é?


E aqui o resultado e já com alguns avaços:


Goste demais das pinturas no rosto que muito nativos americanos faziam antes de irem para a guerra e/ou festividades. Então resolvi pintar baseado em uma referência que encontrei:


Um close do cocar:



E com está ficando:









A calça está sendo um desafio interessante. Estou fazendo a mesma técnica que usei para fazer a sela do cavalo. Depois de pintar com acrílico, fui batendo de leve com a ponta de um pincel chato com bem pouca tinta óleo. Estou gostando do resultado porque algumas destas calças tinha uma textura mais grosseira, onde podia-se ver estes pontos de algumas cores. A referência que estou usando é a primeira calça.

Por hora é só.

Abs e até mais.

16 de jun de 2010

Warbonnets

Embora warbonnets sejam o tipo mais conhecido de cocar indígena hoje em dia, no passado eles eram usados apenas por uma dúzia de tribos na região das Grandes Planícies, como os Sioux, Crow, Blackfeet, Cheyenne, e Cree. Na primeira foto, você pode ver o famoso Sitting Bull, chefe Sioux, ao lado do não menos famoso Buffalo Bill, vestindo um trailer warbonnet (cocares com uma linha simples ou dupla de penas de águia, descendo ao longo de uma calda até o chão).



Na segunda foto, halo warbonnets (Cocares com penas de águia são posicionadas ao redor do rosto em forma oval).



A terceira fotografia mostra um índio Blackfoot vestindo um straight-up warbonnet (mais altos e estreitos, têm as penas de águia colocadas em pé.)



Os três tipos foram feitos com penas retiradas da cauda de águias douradas, e cada uma delas foi conquistada por um ato de bravura. Entre outras razões, as penas usadas eram de águias porque elas representavam proteção, riquesa, prudência, força e espiritualidade.

Além das penas, warbonnets eram muitas vezes decorados com peles de animais, como cavalo ou coelho, e ainda adornados com beadwork.

Estes cocares eram de uso exclusivo de chefes e grandes guerreiros. Mulheres não podiam usar, mesmo aquelas que participavam de guerras e foram chefes tribais.

As vezes os índios usavam estes warbonnets em batalhas, mas geralmente prefiriam usá-los em festas e ocasiões especiais.

Uma coisa é certo, os trailers warbonnets nunca foram usados no campo de batalha. Seria impossível lutar!

A partir de 1800, os nativos de outras tribos começaram a usar warbonnets iguais a estes. Isto ocorreu porque muitas tribos nativas americanas foram deslocadas para Oklahoma e outros territórios indígenas durante esta época. Com isso, as tribos que viviam distantes passaram a adotar alguns costumes de seus novos vizinhos. Na maioria dos casos, as penas não tinham o mesmo significado para estas tribos, que as viam apenas como uma questão de moda. Mas para os índios das Planícies, as penas eram uma prova sagrada de honra e coragem, e que eram capazes de contar a história de vida de quem às portava. Muitas penas, muito feitos e honrarias. Nenhuma pena, nada de importante feito.

Penas de águias ainda são usadas por nativos americanos que servem nas forças armadas americanas.

Bem, agora posto algumas fotos destes cocares:

Este é da tribo Cherokee


Crow


Tribo desconhecida (reparem que neste aqui as penas vão até o chão dos dois lados)


Desconhecido



Desconhecido



Desconhecido



Desconhecido



Desconhecido



Desconhecido



Vista traseira



Desconhecido



Desconhecido



Desconhecido



Sioux



warbonnet do chefe Sioux Iron Tail



Sioux



Sioux



Por hora é só.

Forte abraço!

10 de jun de 2010

Dakotas Warrior - cavalo pronto

Pintura concluida e fosqueada. Agora vou me distanciar um pouco deste cavalo, passarei para a pintura do índio e, depois de alguns dias, voltarei a olhar em detalhes para ele e ver se descubro algo que precisa ser corrigido.
As fotos, sempre um problema =( são estas:







Agora que está com os "pêlos" mais foscos, acredito que as fotos mostrem um pouco melhor o que pode ser visto ao vivo, mesmo que ainda não estejam fiéis, tanto pelos detalhes quanto pela cor. Estou tentando resolver este problema, mas ainda sem sucesso.
Mais fotos, agora do índio, em breve.
Abs